Sobre Sara Raquel

Fui fisgada pela Psicologia em 1996, ano em que iniciei a minha graduação motivada pelo propósito de profissionalizar o meu encantamento pelas pessoas. Foi uma linda e, por vezes, dolorosa jornada de autoconhecimento, conhecimento do outro e conhecimento das relações. Ao longo destes anos pude experimentar diferentes configurações sociais em contextos profissionais variados – clínico, hospitalar, acadêmico e organizacional.

Na atuação em organizações de trabalho, como profissional de gestão de pessoas, manejo processos de desenvolvimento humano, gestão de carreira, desempenho e qualidade de vida no trabalho, experiências que tiveram e tem um elevado valor no meu processo de desenvolvimento pessoal e profissional e que me despertaram para a potência humana em ressignificar experiências, relações e ambientes, através do resgate do potencial criativo e da espontaneidade.

Como psicóloga clínica vejo o mundo pelas lentes do psicodrama e acredito que a cura do sofrimento psíquico acontece quando identificamos e ressignificamos relações adoecidas. Essa jornada de cura inicia com o reconhecimento das esferas saudáveis da nossa psique. A partir daí avançamos através de experimentações das diversas possibilidades de ser / estar no mundo.

Venha compartilhar a sua jornada comigo!

Serviços Ofertados

  • Psicoterapia Individual adultos
  • Psicoterapia de Grupo
  • Orientação de carreira
  • Atendimento Online
  • Mentoria para executivos
  • Palestras, Cursos e Consultorias

Sobre a Abordagem

O psicodrama configura-se como uma abordagem psicoterapêutica, originalmente direcionada ao manejo com grupos, cujo núcleo de ação concentra-se nas inter-relações grupais - sua dinâmica, estrutura e forças atuantes. Foi desenvolvida pelo psiquiatra romeno Jacob Levy Moreno, a partir da sua experiência com grupos sociais através da qual constatou a potência do grupo para o resgate do potencial de espontaneidade/criatividade das pessoas.

Na terapia psicodramática bipessoal, ou seja, aquela que tem como atores o terapeuta e o cliente, mantém-se o entendimento de que se o indivíduo adoece em suas relações, a cura também se encontra na ressignifiação destas mesmas relações adoecidas. O foco desta abordagem está na ação, muito mais do que na narrativa. Para isso, o psicodrama faz uso de uma série de ferramentas técnicas para manejo das questões, somada à verbalização do cliente, a qual serve para "significar" as falas trazidas.

O cerne de uma sessão psicodramática está na representação, no drama. Como drama entende-se a ação que representa a cena traumática, uma espécie de reconstituição realizada no ambiente seguro do consultório. A partir desta representação dramática o indivíduo é estimulado a elaborar a percepção sobre si mesmo, sobre o outro e o mundo, através da intervenção do psicoterapeuta para facilitar a busca por um desempenho adequado dos papéis sociais, livres de cristalizações.

Meu encontro com o psicodrama deu-se ainda na formação em Psicologia. Minha opção pelo psicodrama como abordagem profissional ocorreu de forma natural. Ser psicodramatista é revelar uma forma específica de olhar o mundo, de contemplar as relações. É reconhecer- se como indivíduo somente em relação com o outro e a partir destas relações.